Os 7 Erros da Gestão de Processos / BPM

Por Maurício A. Santos, ProcessMind

Embora ultimamente tenhamos visto mais casos de sucesso do que fracassos na implantação da gestão de processos nas empresas, alguns artigos começam a falar de casos de insucessos, procurando analisar as causas deste problema. Assim, me arrisco também a elencar (com um breve resumo do porque da escolha) 7 pontos críticos que não podem ser negligenciados durante a implantação da gestão de processos em qualquer corporação:

1. Fazer a Gestão sem a Automação
2. Fazer a Automação sem a Gestão
3. Não fazer a implantação com a visão do todo
4. Falta de Priorização de Processos e Melhorias
5. Pouco ou nenhum envolvimento dos usuários / papéis
6. Pouca sinergia com as iniciativas de TI existentes
7. Falta de alinhamento com a estratégia corporativa

1. Fazer a Gestão sem a Automação
Muitas iniciativas de BPM visam principalmente a análise e redesenho dos fluxos de processos, produzindo uma vasta documentação do mapeamento do processo. Porém, é comum ver iniciativas que negligenciam nas suas análises de melhorias dos processos a possibilidade de utilização de uma solução para automação dos processos, focando principalmente em melhorias nas regras de execução ou na redefinição de responsabilidades das atividades. O próprio redesenho do processo deve, desde o princípio, ser mapeado com a perspectiva de automação do mesmo que, na maioria dos casos, trazem enormes ganhos de agilidade e controle sobre o processo, para não citar outros benefícios.

2. Fazer a Automação sem a Gestão
Por outro lado, alguns projetos de BPM focam exclusivamente na implantação de uma ferramenta de BPMS, preocupando-se excessivamente em como viabilizar tecnicamente a utilização do software. A implantação do sistema de automação (BPMS) é vista mais como o fim em si e não como um meio para uma melhoria na gestão dos processos. Antes de mais nada deve-se definir qual o melhor processo a automatizado, analisar este processo, definir indicadores de desempenho, identificar as oportunidades de melhoria etc. Em outras palavras, mapear como o processo deve ser executado e gerenciado para então se partir para a automação

3. Não fazer a implantação com a visão do todo
A gestão de processos deve ser vista como um programa contínuo na empresa e não apenas como um projeto com começo, meio e fim. Assim, é importante que se tenha a visão de todo o portfólio de processos da empresa, o que inclui os processos de negócio da cadeia de valor e também os processos de apoio ou suporte. Iniciativas isoladas de pequenos sub-processos dentro das áreas funcionais tendem a não colaborar para a melhoria dos outros sub-processos da cadeia. “A soma dos ótimos locais pode não ser o ótimo do todo”.

4. Falta de Priorização de Processos e Melhorias
Talvez o ponto mais importante. O grande princípio aqui envolvido é que os recursos da empresa são limitados, tanto financeiro, pessoal ou tecnológico. Uma vez que se tenha a visão do todo, critérios devem ser utilizados para se definir quais processos precisam primeiro ser analisados e melhorados, definindo-se então ciclos de trabalho até que todos os processos da empresa estejam sob controle.
O mesmo raciocínio vale para a implementação das inúmeras melhorias identificadas para um processo. Seguindo uma análise de custo-benefício, define-se onde os recursos serão gastos inicialmente. Outras melhorias podem ser planejadas para o médio e longo prazos, conforme necessidade e possibilidade.

5. Pouco ou nenhum envolvimento das pessoas
Quanto maior for o envolvimento das pessoas que participam do processo desde o início dos trabalhos até a implantação das melhorias, maior a chance de sucesso. Além de serem eles as pessoas que melhor conhecem o processo, são eles que irão efetivamente trabalhar segundo as novas regras e automações definidas. Se não for criado o comprometimento dos usuários, facilmente o trabalho pode ser aos poucos deixado de lado e as atividades serão realizadas como sempre foram, com os mesmos problemas.

6. Pouca sinergia com as iniciativas de TI existentes
A implantação de uma solução de automação, ou BPMS, deve ser vista como complementar a todas as soluções já existentes na empresa: ERP, CRM, etc. Desta forma, é imprescindível que a área de tecnologia seja totalmente envolvida nos projetos de gestão de processos, contribuindo tanto na análise dos processos como principalmente na viabilização da implantação do BPMS. Mais do que nunca, um programa de gestão de processos exige um trabalho de equipe muito bem sincronizado entre as áreas de negócio e de tecnologia.

7. Falta de alinhamento com a estratégia corporativa
De nada valerá todo o esforço da gestão de processos se ela não contribuir para a melhoria do negócio. A melhor forma de garantir que isto ocorra é definir indicadores de desempenho (e respectivas metas) para os processos totalmente alinhados com os indicadores estratégicos da empresa, atualmente bastante difundidos com o BSC, balanced scorecard. E a medição e análise dos resultados deve ser feita periodicamente para que os problemas sejam identificados e ações possam ser tomadas a tempo.

7 Respostas to “Os 7 Erros da Gestão de Processos / BPM”

  1. Laurent Says:

    Boa tarde!
    Gostei muito do site da empresa e do blog, abordam assuntos muito interessantes!
    Sou estudante de Adminstração de empresas e trabalhei com BPM durante 10 meses no ano passado, por uma série de problemas tive que sair da empresa, mas mesmo assim ainda continuo procurante me atualizar sobre o tema, o qual gostei muito de trabalhar, e me identifico bastante. Hoje trabalho em uma empresa de consultoria que aborda um pouco a parte de processos, mas algo bem simples, muito longe do BPM.
    Muito bom os temos abordados aqui!
    Concordo com os 7 pontos listados, são fundamentais para o sucesso de projetos de BPM!
    Att,
    Laurent

  2. Luis Fernando Cossi Says:

    Obrigado Laurent !
    Ficamos satisfeitos pelo seu interesse no tema. Aproveite a oportunidade de participar do blog e do Forum, e sempre que possível compartilhar suas experiências conosco.

    sds

    Luis Fernando

  3. WALTER N JUNIOR Says:

    Bom dia jovens , comecei a interessar pelo tema e gostaria de aprender mais, vcs poderiam me mandar o endereço de alguns sites onde eu possa aumentar o meu conhecimento empírico. grato

    • Maurício A. Santos Says:

      Ola Walter,

      Neste blog mesmo indicamos vários outros blogs bastante interessantes.
      Costumamos ler bastante alguns autores lá de fora como Paul Harmon, Derek Miers, John Jeston, Marl McGregor entre outros.
      Aqui no Brasil você poderia dar uma olhada no site da FNQ (Fundação Nacional da Qualidade) e também participar do BPM Forum que conta com mais de 1000 participantes.

      Bom trabalho,

      Maurício

  4. Julio maltez Says:

    Excelente abordagem, objetiva, clara e reflete a realidade praticada em várias empresas, inclusive de TI.

  5. Camone Says:

    Prezado Maurício

    Preciso escrever um artigo sobre gestão de processo de negócio e estava pensando em escrever a falta de alinhamento com a estratégia corporativa, ou melhor, como ter a estratégia corporativa alinhada aos processos por meio de indicadoreso u vice e versa.

    Vc tem alguma recomendação de bibliografia em que poderia pesquisar sobre o assunto?

  6. mariajosewinther Says:

    Claro e objetivo. Parabéns!


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: