O Novo Papel do Profissional de Processos

Por Renata Almeida, Analista de Processos, ProcessMind

Frequentemente nos deparamos com questionamentos a respeito das habilidades e conhecimentos do Analista de Processos, também chamado de Analista de Negócios ou ainda de Analista de O&M (Organização e Métodos), o que nos leva a crer que não é clara a descrição do perfil para este papel e nem seja consenso no mercado a definição de suas atribuições e responsabilidades. A partir de uma visão ampla do que é a Gestão de Processos de Negócio (BPM – Business Process Management), percebemos a necessidade de adequação nas responsabilidades deste profissional, cada vez mais necessário nas organizações.

O Analista de Processos ainda é visto em algumas empresas como um cargo meramente operacional, dedicado a executar demandas de mapeamento e/ou desenho dos processos atuais, sendo conhecido por estar rodeado de fluxos e matrizes de impacto. Porém, com a crescente competitividade e busca por soluções visando uma maior sustentabilidade das organizações, hoje o mercado demanda um profissional de processos com ampla visão estratégica, foco no negócio da empresa e que seja o elo de ligação entre as áreas de negócio e as áreas de apoio, como TI e RH, não apenas transmitindo necessidades das áreas interessadas, mas como um facilitador da comunicação entre as partes.

Este profissional deve expandir a abrangência do seu papel atual, tendo como objetivo sempre a busca pela melhoria do resultado dos processos e, conseqüentemente, da empresa, procurando assim integrar os objetivos organizacionais com os objetivos dos processos da cadeia de valor da empresa. Para isto, é necessário que ele identifique e implante melhorias tanto nas atividades manuais (processos e pessoas) como também através de automações, tarefas estas que só se tornam possíveis mediante a integração e envolvimento no trabalho das áreas envolvidas. Assim, este novo papel não apenas sugere que o profissional execute suas atividades operacionais de mapeamento, mas que seja um multiplicador e motivador em toda a empresa da importância da Gestão de Processos de Negócio como uma iniciativa contínua de melhoria e parte integrante do modelo de gestão da empresa.

Por estarmos ainda em um momento de transição, é natural que tanto alguns profissionais como algumas corporações ainda estejam se adequando a este modelo proposto. A ProcessMind, preocupada em atender as expectativas do mercado por um profissional especialista em processos de negócios, vem capacitando sua equipe com uma visão ampla nas cinco disciplinas necessárias à Gestão de Processos (Gestão do Portfólio, Mapeamento, Automação, Implantação de Melhorias e Gestão do Desempenho), enfatizando que não basta executar as atividades, mas é necessário ensinar o cliente a fazer a gestão dos processos e monitorar seu desempenho. Com base nessa premissa, a ProcessMind tem obtido êxito juntamente com seus clientes no alcance de bons resultados dos seus processos de negócio.

Boa sorte em identificar e capacitar esse profissional na sua empresa.

About these ads
Publicado em BPM. 12 Comments »

12 Respostas to “O Novo Papel do Profissional de Processos”

  1. Glayds Abreu Says:

    Otimo artigo !
    Exemplificou muito bem a função do analista de processos.

  2. Patrícia Donaire Says:

    Excelente matéria!Parabéns!

  3. Blog do Márcio d’Ávila » BPM para leigos Says:

    [...] O Novo Papel do Profissional de Processos, por Renata Almeida, Analista de Processos, ProcessMind, 11 de julho de 2007, no blog The BPM Experience. [...]

  4. Anderson Queiroz Says:

    Perfeito! As pessoas acham muitas coisas do analista de processos, pois ele pode atuar em muitas áreas, e aqui você explica a essência desta profissão.

    Parabéns!

  5. Frederico Says:

    Boa tarde! Li seu artigo e achei fantástico. Sou Analista de Processos (2 anos de experiência) e atualmente trabalho em uma empresa petrolífera. Tenho como atribuição principal mapear os processos, utilizando a ferramenta ARIS, que estão contemplados na gestão de contratação e aquisição de bens e serviços da empresa, procedimentar operações, etc. Como você mesmo disse, por ser uma profissão recente no mercado, muitas empresas confundem as reais atribuições destes profissionais.
    Gostaria de saber em qual patamar médio salarial o Analista de Processos se encontra atualmente.
    Esta informação seria essencial para mim, uma vez que estou perto de uma renovação de contrato e gostaria de obter mais informações para ter um maior poder de negociação.
    Grato!

    • Maurício A. Santos Says:

      Ola Frederico,

      Não costumo falar sobre salários aqui no post.
      O que posso dizer é que o cargo de analista de processos normalmente se divide em três categorias, conforme a formação e experiência do profissional: junior, pleno e senior. Cada nível com seu patamar de remuneração.
      O seu caso deve se encaixar no nível pleno e em cima disto você pode tentar uma melhor negociação.

      Boa sorte!!!

    • auri Says:

      Frederico:
      Gostaria de tirar umas dúvidas contigo.
      Pode entrar em contato pelo meu e-mail?
      Att:

      Aureana

  6. Mário Sérgio Ricardo Says:

    Olá, Maurício!
    Sobre o seu artigo, permita-me alguma colocação a respeito, pois não vejo como um “novo” papel do Analista de Processos e sim “o” papel desse profissional, pois desde os primórdios, já em “Organiação & Métodos”, o analista não só efetuava o levantamento das atividades, como também procurava desenvolver as melhorias.
    A diferença entre o “Analista de O&M” e o “Analista de Processos” é que este tem a visão voltada para os negócios, trabalhando na cadeia de valor, para que a empresa tenha realmente uma gestão por processos, onde através dos mapeamentos dos processos, que permeam a empresa (As is), possam ser diagnosticados e analisados os “gaps”, para as consequentes melhorias (To be), trabalho este de responsabilidade, sim, do Analista de Processos, equanto que o trabalho do Analista de O&M se focava, simplesmente, na melhoria de uma atividade específica de alguma área ou ainda nas necessidades de apoio ao desenvolvimento de algum sistema computadorizado, além da elaboração de manuais de normas e procedimentos, bem como da gestão de formulários, entre outas atividades administrativas, que não exatamente voltada para o negócio da empresa e que atenda às necessidades dos clientes internos e externos. E, destes últimos, dos clientes, não se espera somente atender, mas surpreender suas expectativas, pois no mundo competitivo não basta apenas atender, o cliente quer mais e procura por quem lhe preste um melhor atendimento, não só no pré-venda e comercialização do produto, como muito mais no pós-venda, para que o cliente seja totalmente satisfeito e que possa recomendar a empresa e/ou o profissional.
    É, sim, o Analista de Processos, um facilitador entre as áreas da organização, mas antes de tudo um gestor dos processos, buscando uma melhor competitividade da empresa no mercado, através da melhoria dos processos da sua cadeiade valor, tanto de negócios, quanto de apoio, sem o que não faria sentido a nossa atuação, muito menos a nomenclatura do cargo de Analista de “Processos” e/ou de “Negócios”.
    Um grande abraço!

  7. ROSAM DA SILVA ABREU CERQUEIRA Says:

    O Analista Processual deve, sobretudo, aprimorar seus conhecimentos para uma melhor tutela de seus jurisdicionados. Deve ser breve, para uma justiça mais célere e eficaz.
    Enfim, Pacificar a sociedade brasileira é o desejo de todos nós.

    • Raul Renato Says:

      Ao navegar pela rede pesquisando artigos que tratam das competências para Analista de Negócios, que é diferente de Analista de Processos, e Analista de O&M, com o intuito de fundamentar minhas reflexões em resposta a um post no LInkedin (fórum de AN), grupo este que está contribuindo por demais na maturidade sobre essas distinções profissionais, deparei com essa postagem de Rosam da Silva Abreu Cerqueira, a quem eu pergunto: “Você leu os artigos aqui postados? Analista Processual tem a ver o quê com Analista de Processos de Negócio Organizacionais? Se “Pacificar a sociedade brasileira é o desejo de todos nós” for o negócio da empresa, constituído em sua Missão e em seu Planejamento Estratégico….até pode ter fundamento o que você colocou….mas acho que está fora de propósito aqui.

      Bom dia.

  8. BPMN – Voltou? « Código com Cerveja Says:

    [...] O Novo Papel do Profissional de Processos, por Renata Almeida, Analista de Processos, ProcessMind, 11 de julho de 2007, no blog The BPM Experience. [...]

  9. Anderson Says:

    Bom dia!

    Gostaria de saber qual é o papel do Analista de processo ou O&M em cada “nível” Junior, Pleno e Senior. Alguém pode ajudar-me?


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 49 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: